top of page
shutterstock_1022254765.jpg

Decisão do Supremo que invalidou norma da Reforma Trabalhista pode abrir caminho para novas revisões

“Estamos claramente diante de uma violação ao princípio da vedação do retrocesso.” Com esta afirmação, o ministro Ricardo Lewandowski acompanhou o relator e mais 8 ministros do Supremo Tribunal Federal que declararam inconstitucional o trecho da Reforma Trabalhista que admitia a possibilidade de trabalhadoras grávidas e lactantes desempenharem atividades insalubres.


Esta medida era uma das 30 inconstitucionalidades apontadas pela CSPM Advogados Associados na cartilha publicada no ano passado com críticas à lei (Lei 13.467/2017). “Conforme alertado pelo escritório, a Reforma Trabalhista tem inconstitucionalidades e, se o STF cumprir seu papel, ele vai declarar outros trechos inconstitucionais”, ressalta o advogado Pedro Henrique Koeche Cunha. São dezenas de ações que tramitam na Suprema Corte e que ainda devem ser analisadas pelo plenário do tribunal.


Segundo Pedro, um tema que deve entrar na pauta em breve é o que trata da Assistência Judiciária Gratuita. A nova lei inseriu um artigo para limitar no processo trabalhista a gratuidade de justiça, permitindo sua concessão somente àqueles que recebem menos de 40% do valor do teto de benefícios do Regime Geral de Previdência Social (RGPS). Também acrescentou artigo que” impõe o pagamento dos honorários periciais a parte sucumbente, ainda que beneficiária da justiça gratuita”.


Na cartilha com críticas à Reforma Trabalhista, a CSPM destacou que “ao criar limitações à gratuidade, a reforma impõe restrições de ampla repercussão ao exercício do direito de acesso à justiça, uma vez que os trabalhadores deverão considerar previamente probabilidade de êxito em cada um dos pedidos, e dos honorários que incidirão na diferença entre o valor postulado e o reconhecido.


Terão ainda de considerar o risco de requerer a reparação de lesão que necessite de perícia judicial para sua comprovação”. Em julgamento semelhante, a Suprema Corte do Reino Unido vedou a imposição de taxas para os trabalhadores acessarem os Tribunais, ao constatar que ela reduziu em 70% o ingresso de demandas trabalhistas naquele país.


Foto: Nélson Jr./SCO/STF

コメント


WhatsApp-icone.png
bottom of page